Quilmes, a tradicional cerveja argentina!

Por segunda-feira, 6 de janeiro de 2014 , , , , ,


Venho de uma família de mestres cervejeiros. Produzimos a Hagen e a Brucke, as melhores cervejas do mundo! Eu até já falei da minha irmãzinha aqui: uma mestre de mão cheia! E, por conta dessa proximidade com a bebida, adoro experimentar novas receitas, principalmente as artesanais!

Na Argentina, infelizmente, não tive tempo para procurar uma bebida diferenciada. Mas conheci a Quilmes, também vendida no Brasil, e adorei! Claro, a cerveja não tem nada de especial! Mas é uma bebida, ao meu ver, honesta.

É leve, suave, refrescante e tem uma espuma razoavelmente encorpada! Tá, ela não tem notas de café, damasco, ou coisas do gênero mas é bem saborosa! Sem falar que é uma cerveja barata e infinitamente melhor que uma Skol, por exemplo.

Apreciando a Quilmes, uma das cervejas mais consumidas na Argentina!
A marca é tão tradicional e "bem vista" na Argentina que, em 2006, a AmBev desembolsou US$ 1,25 bilhão pelos 97,16% das ações da Cervecería y Maltería Quilmes, atualmente controlada pela gigante do mercado de bebidas brasileiro. 

Por falar em produção, a bebida é fabricada em larga escala desde 1888 na cidade de Quilmes, localizada a 16 Km de Buenos Aires.

Distribuição da Cerveja Quilmes em 1910. Foto: Creative Commons/Wikimedia.org
Quilmes, no caso, é uma homenagem à cidade onde a primeira fábrica foi instalada, famosa, inclusive, por um triste massacre.

Para que não sabe (eu não fazia nem ideia) no século XVII a tribo indígena Quilmes vivia nas proximidades de Tucumán, no noroeste argentino. Tudo ia bem até que os colonizadores espanhóis resolveram expulsá-los. Os índios Quilmes travaram uma sangrenta batalha com os europeus e acabaram perdendo as suas terras.

Ruínas de Quilmes, Tucumán, Argentina. Foto: Kevin Jones (Kj-an)/Creative Commons/Wikimedia.org
A aldeia foi abandonada em 1810 e virou uma cidade fantasma. Os índios Quilmes caminharam quase mil quilômetros a pé, cruzando o território argentino até chegarem no local que hoje recebe a identificação da etnia deles.

Quilmes, atualmente, é não só o lar desse povo indígena como também de outros quase 600 mil habitantes. Uma cidade pacata, conhecida por suas belas praias e paisagens naturais praticamente intocadas. Nada que faça lembrar, nem de longe,  a tristeza por trás do nome.

Praça San Martín na cidade de Quilmes, na Argentina. Foto:Quilmeño89/Creative Commons/Wikimedia.org 
O inaceitável fato ainda hoje é motivo de revolta e de luta do povo Quilmes, que reivindica junto ao governo argentino o retorno da tribo à terra ancestral deles.

Uma forma de compensação pelas injustiças do passado já que, além das terras, centenas de índios perderam a vida da batalha e durante o percurso forçado do Vale Ocidental dos Andes até o sul de Buenos Aires.

Ruínas Quilmes, a Cidade Sagrada vista do alto. Foto: Fernando Pascullo/Creative Commons/Wikimedia.org
A região considerada pelos indígenas como uma terra sagrada é um ponto turístico bastante visitado na Argentina. Conhecido como "as ruínas de Quilmes" o local, sem dúvida, merece sua visita!

E a história? Bem, esse acontecimento lamentável mas que parece não ter afetado em nada o comércio de Quilmes no país dos nossos "hermanos". 

A Quilmes na Argentina é vendida igual água! Rsrs... Foto: reprodução Vimeo.
Na Argentina, a Quilmes é a líder absoluta do ramo, com 75% das vendas. Lá a Quilmes pode ser encontrada em várias versões, mas a garrafa de um litro é clássica. 

Em Brasília, no "Extra", eu costumo comprar por R$ 12,00 o litro. Um produto "importado" que vale a pena você experimentar!

LEIA TAMBÉM:
. Saquê, a tradicional bebida japonesa!
. Tereré, o chá gelado paraguayo!
. A mulher cervejeira da Brücke!
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Gostou desta postagem? Então siga o Vida de Cozinheiro nas Redes Sociais e ajude a divulgar o nosso trabalho compartilhando este conteúdo!

[Facebook] [Instagram] [Twitter] [Pinterest]

Toda nossa obra é oferecida gratuitamente aos leitores.

Você também pode gostar!

0 comentários