Sabores da Amazônia!

By 07:22 , ,

Mari-mari, a graciosa fruta que provei na Amazônia!
Difícil definir o sabor da Amazônia. São tantas cores, aromas, nomes curiosos... Resolvi, então, listar alguns dos alimentos que mais chamaram a minha atenção durante minha curta (e produtiva) temporada na selva.

Provar, no meio da mata fechada, coisas que você nem sonhava que existia é uma experiência fantástica!
MARI-MARI

Começo pela curiosa frutinha que leva meu nome: mari-mari. De cara o formato da casca me fez pensar que o mari-mari se tratava, de fato, de uma vagem. Nunca pensei que aqueles gominhos verdes que poderiam ser doces... E são! E tem gosto de pastilhas Walda! Rsrs...

Mari-mari à venda na banca do seu Siqueira, no galpão das frutas, em Manaus.
Explico: na verdade eu não estava totalmente errada. O seu Siqueira, feirante do mercado de frutas de Manaus me contou que o Mari-mari (ou Inguamari) é um fruto em vagem que fica amarelo quando está totalmente maduro.

Essa casca pode ter de 40 a 80 centímetros de comprimento e, dentro dela pôde-se encontrar de 40 a 120 sementes. Esses gominhos tem a parte de fora comestível. Essa polpa é meio gelatinosa e bem saborosa! Adorei!
            
Ah, não tive só o prazer de provar a fruta. Na Amazônia, passeando de barco, o Chilton me apresentou a árvore do Mari-mari. Exemplar exuberante que sobressai em meio à floresta alagada! 
            
CONGO DO BABAÇU

Lá na selva eu não só pude admirar as belezas amazônicas. Eu tive a chance de prová-las! E aí, nesse quesito, não teve concorrente: o Congo do Babaçu foi minha grande descoberta!

Larva de vaga-lume tirada de dentro do Congo do Babaçu... O maridão foi o primeiro do grupo a comê-la.
Já tinha comido grilo em Cholula, no México. Mas essa experiência na selva foi bem mais significativa! 

Primeiro porque não tive a oportunidade de temperar a larva e depois porque estava ali, no meio da selva. E o contexto fez toda a diferença. Foi muito bacana poder experimentar algo que já foi uma das principais fontes de proteína da população ribeirinha.
            
O Congo do Babaçu, que tem um delicioso gosto de coco, é, na verdade, a larva do vaga-lume que perfura o coco ainda verde e se desenvolve dentro dela. Depois de totalmente formada, sai da casca e passa a iluminar a bela noite amazônica. 

O Congo do Babaçu há tempos, infelizmente, não é mais consumido pelos locais. Com o aumento da frota dos barcos-supermercados e a facilidade do acesso aos alimentos ultraprocessados, o "projeto de vaga-lume" virou alimento para turista. 

PIRANHA

Pesca de piranha na Amazônia: programa de turista!
Já tinha visto piranha bem de perto lá no Pantanal, mas não tive a oportunidade de pescar um exemplar. Desejo também realizado na selva! Aliás, a pesca de piranha no Lago Juma, que é um afluente do Rio Amazonas, foi um espetáculo à parte. 

Pescando pela primeira vez na vida!
Nunca tinha participado de uma pescaria na vida. E pra ser bem sincera não achei que isso daria certo por conta da minha imensa dificuldade em ficar calada... rsrs... jornalista, pequena e curiosa já viu, né? Mas deu muito certo!
          
Em parte acho que foi por conta de organização do grupo no barco. É que o Chilton, nosso querido guia, me colocou entre o Thiago e o Suzuki. Aí ficou fácil. O maridão já sabe (de trás pra frente) como me "manter quieta" e o seu Suzuki é o japonês mais tranquilo e sereno do planeta. 

Aí, caro leitor, não tive outra opção senão pescar! E deu muito certo! Fui a primeira a pegar um peixe! Detalhe: uma piaba (quase do meu tamanho) e pescada pela asa!

Só eu mesmo... Pescar piaba pela asa... Rsrs...
Sério! Não é história de pescador não! Aquela fofura, daquele tamaninho, foi içada pela asa! Depois de tamanha façanha, pescar piranha foi moleza! Rsrs...

Olha só a alegria da garota!!! Rsrs...
O maridão pescou jantar pra cinco pessoas!
Trabalho concluído (no fishing, no dinner) voltamos para a pousada Juma Lake Inn e a simpática esposa do Gerry, a dona Maria Cleide, fritou as piranhas pra gente. Gostei bastante do sabor da carne! Só fiquei um pouco incomodada com a quantidade de espinhos...

Piranha pescada por nós! Só por isso, ficou ainda mais saborosa!
Mas valeu demais a experiência, ainda que também seja "modinha de turista"... Rsrs! Obrigada, meninos!

TAMBAQUI

Existe uma rixa entre Tambaqui e Tucunaré, que são os peixes mais famosos da Amazônia e os preferidos dos moradores locais por serem mais carnudos e saborosos. E esses peixes são, realmente, incríveis!

Eu, particularmente, acho que o Tambaqui dá de mil!!! É o peixe mais saboroso que comi no Amazonas!

Tambaqui no aquário do Museu da Amazônia, o MUSA, em Manaus.
Aliás, o Tambaqui frito que comi no Mercado de Artesanato de Manaus foi uma coisa do outro mundo. Rsrs...

Mas o gostinho de "quero mais" do sabor desse peixe que guardo na memória foi o do meu primeiro almoço no Juma Lake Inn. Foi uma viagem tão longa! Saímos de Brasília às 6 da manha e só chegamos na selva à uma da tarde...
            
Estava verde de fome! Pra completar, fomos recebidos com um delicioso almoço! Bem caseiro! Nada demais, mas tudo bem feito: arroz, feijão, farinha, mandioca frita e Tambaqui...

Tá ou não tá lindo esse prato? Primeiro almoço na pousada Juma Lake Inn. Adorei!
Aí, caro cozinheiro, foi amor à primeira mordida! Desde então o Tambaqui é o meu peixe favorito! Aliás, saímos encantados no Juma Lake Inn! Por tudo! Pela comida, pela hospitalidade, pelas experiências...

Aproveito para agradecer, novamente, ao Gerry Hardy, à esposa dele, dona Maria Cleide, ao Chilton Norman e ao Wilson Neto, da Iguana Turismo, pelo carinho e pela atenção. Muito obrigada, amigos! Já estados morrendo de vontade de voltar!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nós te ajudamos com esta postagem? Então siga o Vida de Cozinheiro nas Redes Sociais e ajude a divulgar o nosso trabalho compartilhando este conteúdo.


Toda nossa obra é oferecida gratuitamente aos leitores.

Você também pode gostar!

0 comentários