Arroz integral fácil!

By 11:30 ,

Arroz integral é tudo de bom!
Tem gente que não come arroz integral de jeito nenhum. Os motivos, normalmente, são dois: o gosto é ruim e o grão é duro. Caro comensal, isso nada tem a ver com o produto, ok? O problema está em quem faz o arroz!

Porque pra tudo nesta vida existe método e com o arroz integral não é diferente! Se você decidir fazer o grão integral para o almoço e resolver prepará-lo da mesma maneira que o comum, vai ficar horrível mesmo!

Cozinhar arroz integral não é igual fazer arroz branco, ok?
Isso porque os grãos não são iguais. Aliás, você sabe qual é essa diferença? São muitas, na verdade. Em relação ao valor nutricional, à textura, à cor, ao tempo de cozimento... Comecemos pelo básico. Seguinte: o arroz integral, nada mais é que o arroz comum (branco, tipo 1) minimamente processado. 

Aqui em casa só comemos arroz integral!
Mas o que isso quer dizer? Significa que na produção do arroz integral a indústria recebe o grão de arroz bruto e retira dele somente a casca. Ou seja, o gérmen (onde se concentram os nutrientes da semente), que é a segunda camada deste grão, não é retirado. O processamento, no caso, termina aí. 

Já para produzir o arroz branco, a indústria vai além, retirando a camada marrom (gérmen ou germe) do arroz, deixando, apenas o endosperma (camada branca), que é a reserva energética (amido) da semente. Sendo assim, os dois tipos de arroz tem, aproximadamente, a mesma quantidade de calorias, ok? 


Isso mesmo. Arroz integral não é menos "engordativo"! Porque essas calorias tem a ver com a quantidade de energia armazenada no grão e isso é o mesmo nos dois. A grande diferença e o motivo pelo qual você deve trocar o seu arroz branco pelo arroz integral é o fato do último possuir a camada de nutrientes e o outro não.

E outro detalhe importante: nem todo arroz integral é igual! Existe o arroz integral comum e o arroz integral parboilizado. De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Arroz Parboilizado (ABIAP) parboilização é um processo e não um tipo de grão.

O arroz branco também pode ser parboilizado. Fique atento ao rótulo!
Ainda segundo a ABIAP, essa tecnologia na qual o arroz sofre um processo de pré-cozimento antes de ser embalado altera a estrutura do amido e deixa o grão (independente do tipo) mais amarelo e mais soltinho depois de cozido.

E essa informação "parboilizado" está lá na embalagem mas nem sempre é muito visível. Portanto, fique atento! Meu marido mesmo não gosta do parboilizado. Fala que o gosto é pior. Eu não sinto a diferença não. E acabo sempre levando pra casa o pacote integral mais barato. Rsrs... O importante mesmo é que seja integral!

Eu prefiro o integral parboilizado, que é assim, mais amarelado.
Tudo porque o grão integral  é um alimento funcional e o consumo desse tipo de arroz rico em fibras faz um bem enorme à sua saúde intestinal

Já o branco é basicamente só amido! Tá, o amido é sim uma importante fonte energética! Mas, se consumido em excesso pode influenciar, diretamente, na resposta glicêmica do organismo (velocidade na qual é aumentado o nível de açúcar no sangue). 

Troque o arroz comum pelo integral: o seu intestino agradece!
Perfeito, não é mesmo? Mas, como diz meu querido e amado pai, não existe almoço grátis! Rsrs... Como o arroz integral se mantém com a película protetora (que fica logo abaixo da casca) e o gérmen, ele é mais duro que o outro. Consequentemente, não podemos cozinhá-lo da mesma forma que o branco! 

Eu só faço arroz usando a panela elétrica! Não tem erro!
Aqui em casa, como já disse no post "Arroz de Máquina", não cozinho o meu arroz da forma tradicional. Eu o faço do jeito mais fácil, garanto! Usando, sempre, minha panela elétrica. Assim não tem erro: o arroz sempre fica macio e soltinho. 

Grão integral, óleo, água, sal e máquina elétrica: mágica simples para ter um arroz perfeito e o melhor: saudável!
E é tão simples: é só colocar o grão integral (eu sempre faço 2 medidas), o óleo (eu só uso o de amendoim), a água, um pouquinho de sal e e esperar 1 hora e 15 minutos. Igual ao processo de cozimento do arroz branco já mostrado aqui no Vida de Cozinheiro.

Colocando o óleo na panela elétrica de arroz.
Acrescentando o sal... Não exagere, ok?
E, por último, a água. Detalhe: sempre o dobro de líquido que usamos para cozinhar a mesma medida de arroz branco.
A única diferença entre os dois processos é que, para fazer arroz integral você tem que colocar o dobro da medida de água especificada pelo fabricante da panela elétrica, já que essa medida está relacionada ao cozimento do arroz branco.

Coloco água na panela elétrica até cobrir o número 4, referente aos 4 copos de arroz mesmo cozinhando só dois copos do grão.
Outra dica: achei melhor comprar a panela com capacidade para sete xícaras, de tamanho médio. Apesar de sermos só eu e meu marido é sempre bom ter a opção de poder faz um pouquinho de arroz a mais caso apareça alguma visita... Mesmo porque a diferença de preço entre os tamanhos não é tão grande assim... 

Sei que existem várias marcas de panelas de arroz no mercado e, sinceramente, não posso falar dos produtos porque nunca testei panela de arroz de outro fabricante. Comprei no Shoptime a da Fun Kitchen porque minha sogra já tinha uma e pude testá-la...

Arroz integral feito na máquina: soltinho e bem saboroso!
Por isso eu a recomendo aqui no site a dica. Não ganho nada em fazer a propaganda, ok? Mas, realmente, essa panela elétrica de arroz é um equipamento que faz a diferença na vida de qualquer cozinheiro!

Principalmente pelo fato de que o arroz é o básico, né? Com ele pronto e um feijão já cozido qualquer refeição fica bem mais fácil de ser preparada... E sendo integral, então, fica bem mais saudável!

Servidos?
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nós te ajudamos com esta postagem? Então siga o Vida de Cozinheiro nas Redes Sociais e ajude a divulgar o nosso trabalho compartilhando este conteúdo.

[Facebook] [Instagram] [Twitter] [Pinterest]

Toda nossa obra é oferecida gratuitamente aos leitores.

Você também pode gostar!

0 comentários