Tereré: o chá gelado paraguayo!

By 16:22 , , , , ,

Morador da Ciudad del Este saboreando o famoso Tereré...
Quanto mais nós viajamos (meu marido tem um site de viagem, o Próximo Embarque, e nossa diversão é rodar o mundo) mais eu tenho certeza que gastronomia é cultura! E, pra quem ainda dúvida, vou contar a origem do Tereré, o chá gelado paraguayo. 

Na semana santa desse ano fomos para Foz do Iguaçu conhecer as famosas cataratas! Passeio inesquecível que nos rendeu outras alegrias inesperadas. Decidimos conhecer também a Ciudad del Este. 

Não aquela que normalmente se conhece quando atravessamos a caótica ponte da amizade. Queríamos ter um outro olhar sobre a cidade dos nossos hermanos e foi fantástico! Saiba tudo sobre o nosso CityTour pela Ciudad del Este no post "Made in Paraguay"

O nosso guia, Rigo Dan Samudio, falando sobre as ervas usadas para fazer o Tereré.
Pois é, além dos belíssimos locais, aprendemos com os nossos guias (e aí vai um agradecimento especial ao nosso guia e amigo paraguaio Rigo Dan Samudio) muito sobre a história do país.

Ema das mais interessantes é a do famoso chá gelado consumido por lá. Aprendemos que, desde antes da colonização européia nas Américas (que no Paraguai aconteceu no século XVII), os índios guaranis já preparavam o Tereré. A diferença é que era uma bebida quente...

Tereré: feito de folhas, raízes e tubérculos...
Mas em 1932, por conta da Guerra do Chaco (a mais importante travada na América Latina no século XX) o famoso chá, semelhante ao chimarrão dos gaúchos brasileiros e uruguaios, começou a ser consumido frio.

Tereré: água, ervas e muito gelo!!!
Isso porque, durante as batalhas (no meio da mata) para esquentá-lo tinha que se fazer uma fogueira e a fumaça poderia chamar a atenção dos inimigos bolivianos. Para, literalmente, "não entregar o ouro ao bandido", nos acampamentos, os paraguaios passaram a beber o Tereré à temperatura ambiente.

Os tempos difíceis se foram (infelizmente, em três anos de guerra, 60 mil bolivianos e 30 mil paraguaios morreram) mas o hábito virou tradição. Hoje todo paraguaio bebe o Tereré bem gelado para ajudar a espantar um inimigo ainda mais resistente: o calor.

O hábito já está tão arraigado que, mesmo em dias frios, o paraguaio bebe o Tereré gelado...
Apesar de termos sentido frio durante a nossa estadia nessa Semana Santa, na maior parte do ano as temperaturas na Ciudad del Este beiram os 40 graus Celsius. E nesse "verão carioca" nada melhor que um líquido para esfriar a cuca, não é mesmo?

A "caipirinha paraguaia" ainda tem a vantagem de não ser alcoólica, podendo ser consumida a qualquer hora e várias vezes ao dia... E é o que os paraguaios fazem! E o Tereré é tão significativo para a cultura desse povo que existe até um dia dedicado à bebida - o último sábado de fevereiro é o Dia Nacional do Tereré.

No Paraguay, o Tereré é tão famoso que tem um dia só dele!
Além da data, em 2011, o Congresso Nacional Paraguaio declarou o Tereré "Patrimônio Cultural e Bebida Nacional do Paraguai". Chique, né? E não foi só isso não! Desde 2015, o famoso Tereré está estampado em uma moeda comemorativa para os colecionadores e apreciadores do tradicional mate paraguaio. 

De acordo com o Banco Central do Paraguay, a moeda faz parte da Série Íbero-americana Encontro de Dois Mundos, que reúne nove países. Cada um dos participantes (Argentina, Cuba, Ecuador, Espanha, Guatemala, Nicarágua, Paraguai, Perú e Portugal) expõe na moeda do país a representação cultural do povo deles.

Moeda Comemorativa Paraguaya destacando a importância do Tereré para o país.
Ainda segundo a Casa da Moeda Paraguaya, o metal comemorativo possui o valor de 1 Guarani e é estampada da seguinte forma: no verso está a imagem de uma jarra, uma cuia e uma bomba, os símbolos da bebida. Para completar o desenho, um ramo da planta erva mate e o seu nome científico: Ilex Paraguariensis. 

Do outro lado encontra-se, no centro, o escudo nacional (símbolo da moeda paraguaia) e, em volta deste, os símbolos dos nove países participantes da série. 

Destaque realmente merecedor de tamanha importância! Com o Rigo, aprendi, ainda, que nem todo Tereré tem a mesma função. A base da bebida é sempre a mesma: água, gelo, erva mate e uma outra ou outras ervas. E é aí que está a diferença! Cada folha ou raiz tem um propósito para estar ali.

O nosso guia, Rigo Dan, me ensinando sobre o ritual do Tereré.
Por causa disso, o Tereré, normalmente é preparado pelo "yuyero", que conhece as propriedades medicinais de cada uma delas.

A yuyera escolhe os ingredientes de acordo com a necessidade de cada freguês...
Ele é o que nós chamamos de curandeiro, mas a função desempenhada nada tem a ver com feitiço ou religião. São apenas pessoas que vendem as ervas e fazem os chás.

A yuyera se prepara para macerar as ervas que serão usadas para fazer o Tereré!
Essa figura é bem famosa e pode ser facilmente encontrada na Ciudad del Este. Tanto que vi uma yuyera, em uma curva do caminho, durante o city tour. A barraca, na esquina, estava repleta de curiosos. Rigo desceu para comprar a bebida e nos convidou para ver o processo.

As raízes e as ervas são maceradas pela yuyera e depois colocadas no Tereré.
Como o chá não é aquecido, para extrair o sumo das plantas, a yuyera macera os exemplares no pilão. E as ervas e raízes são escolhidas de acordo com a necessidade do cliente: menta'i para que está sofrendo dos nervos. 

Tubérculos usados no Tereré: cada um serve para ajudar a combater um mal...
Muita erva-mate se você está se sentindo sonolento ou desanimado... E cedrón se a ideia é a de desacelerar... Tudo feito com simplicidade e rapidez.

Um costume tão antigo e tão presente na vida dos paraguaios que, de cara, me conquistou. Bebida leve, refrescante, natural e saudável!

Meu primeiro Tereré... Adorei!
Só pra de deixar ainda com mais vontade de prová-lo, aí vai o vídeo da preparação dessa deliciosa bebida paraguaya!

          
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nós te ajudamos com esta postagem? Então siga o Vida de Cozinheiro nas Redes Sociais e ajude a divulgar o nosso trabalho compartilhando este conteúdo.

[Facebook] [Instagram] [Twitter] [Pinterest]

Toda nossa obra é oferecida gratuitamente aos leitores.

Você também pode gostar!

2 comentários

  1. Adorei a postagem Mari, tenho um blog sobre tereré ( www.blogdoteras.com.br ) e assino em baixo com tudo que disse, muito legal conhecer sua experiência. Vou compartilhar na nossa fanpage, ok!? Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Gabriel, tudo bem? Que bom que vc gostou da postagem! Muito obrigada pela divulgação! Seu blog é muito bacana! Parabéns! Grande abraço!

      Excluir